Pop up!

Da colunda Ressaca. Publicada no site Giro Cultural

O email que eu recebi começava assim. “A 11ª edição do Goiânia Noise Festival, que terminou no domingo (04/12), marcou também o início de uma nova luta dos produtores de festivais independentes do Brasil. Reunidos em Goiânia, 19 representantes de 13 festivais deram o pontapé inicial na criação da Associação Brasileira dos Festivais Independentes (Abrafi).” Na lista dos participantes, gente nova, gente velha, gente que gosta de encrenca, gente maravilhada.

Se fosse feita uma enquete sobre o que é um festival independente, certamente surgiriam tantas respostas diferentes quanto pessoas entrevistadas. Para muitos, o Abril pro Rock é a oportunidade de ver o show do Placebo. Para muitos, um enorme evento social, onde sem nem prestar atenção no palco, se passeia pelo hall do Centro de Convenções com latinha na mão, aquela nova camisa e penteado que vai aparecer no jornal da Globo.

Não existe um festival que seja corretamente compreendido. Seja o Tim Festival, seja o Abril pro Rock, seja o Claro que é Rock dentro do Abril pro Rock. Estava aqui, numa das seções maravilhosas de descobertas na caixa de 20 anos da Bizz, lendo as coberturas feitas no então principal festival de rock do país, quando me dei conta disso.

Era o Abril pro Rock mesmo. Todos os anos com a ridícula introdução “estudantes reclamaram do valor do ingresso de R$ 15″. Lá, criei a teoria de que a programação de certos festivais, no ano seguinte, faria muito mais sucesso. Foi quando li a cobertura do show que o Cidadão Instigado fez aqui. Nem sabia disso. A banda tá hoje numa moda enorme, mas ninguém sequer lembrava que o cara tinha passado pelo palco do festival.

O mesmo vale para o Tim Festival. PJ Harvey? Kraftwerk? O lugar foi palco para alguns dos lançamentos mais absurdos do pós-2000. O Libertines e o Super Furry Animals (esta em 2003). Sem falar no Cansei de Ser Sexy, que virou hype absoluto um ano depois. E no Claro Q é Rock, alguém prestou atenção na Moptop? Aguarde, porque próximo ano essa banda vai ser muito bem falada.

Festival é onde você vai para descobrir as coisas novas. O Rappa vai estar lá só para você ter uma referência para seus pais. Não ter que dizer “vou num show enorme, cheio de gente desconhecida”. Engraçado que, pelo menos por aqui, no começo, essa consciência era bem maior. Hoje em dia, se existe uma reclamação que quase bate a do preço, é a programação. Parece um absurdo o evento não trazer sua banda favorita. E você nem se deu conta quando eles vieram anos antes, ainda desconhecidos.

Saideras

* Ritmo de festa
Fogos, rojões, cerveja e alegria. A coluna está em ritmo de festa. Queria compartilhar com todos vocês minha felicidade em ter sido aprovado na seleção do mestrado em comunicação na Universidade Federal de Pernambuco. Minha pesquisa será sobre crítica de música.

Outra celebração é que, a partir do dia 27 de dezembro, terça-feira, estarei também com uma coluna semanal no jornal Folha de Pernambuco. Assunto é o que não falta para não repetir material.

* Grave sua demo
Não posso adiantar ainda onde e como. Mas se você tem uma banda nova, bem nova, e ainda não tem um CD, apresse o trabalho. Em janeiro, um novo evento vai chegar à cidade com os moldes do Pátio do Rock, apenas para bandas totalmente novas, desconhecidas e legais.

* Alto nível
No site muzplay (www.muzplay.net), a seção de entrevistas tem a seguinte ordem: Britsh Sea Power, Moby, Mellotrons. A entrevista, feito por um pessoal de São Paulo, destaca a banda como “parte do cenário independente nacional”. E olhe que eles nem gravaram o primeiro CD ainda. Mas o melhor de tudo é uma resposta dada pelo vocalista Haymone Neto. “Queria que a gente lançasse um EP novo a cada três meses, cada um mais louco que o outro”.
Porque ninguém nunca pensou nisso?

* Procura e demanda
Este ano, o evento Porto Musical precisou sair atrás de um monte de gente para poder acontecer. Para 2006, dizem por ai que não sobrou espaço de tanta gente de outros países que quiseram vir pra cá articular projetos. Vá preparando logo o seu inglês

Random Posts

  • Ficando surdo « Pop up!

    Eu sei, eu sei. Esses up and downs do Pop up são um saco. Mas é que tempo é um […]

  • Page 50 — Pop up!

    Talvez essa seja uma associação baseada demais em experiências pessoais, mas não consigo ouvir as músicas de Damned Rock n’Roll, […]

  • Não acredite no hype – Pop up!

    Estou lendo o Pitchfork 500, livro do portal guru da música indie, em ordem aleatória. É a melhor maneira de […]

  • Pop up!

    Outubro 23, 2007 | Author: Bruno Nogueira | Arquivar em: Blog O outro post fez tanto sucesso que vou repetir […]