Novas bandas do Recife: Electrozion – Pop up!

Não deve ser muito arriscado dizer que existem duas Electrozion’s. A primeira é a das gravações que você encontra na integra no SomBarato e em trechos no Myspace. A segunda é a que faz apresentações ao vivo, ao menos teoricamente, com as mesmas músicas. Coisa de quem ainda tá se encontrando no som que pretende fazer. Descomplicando a teoria, o trocadilho no nome (electro + zion) é justamente a melhor explicação para a música feita por Padrones, Léo Vila Nova, Ju Orange e Peter Noya. Reggae + Programações… ou, como eu prefiro chamar, dub do espaço.

Ao vivo as músicas são bem mais lineares. Remetem direto ao gênero mais antigo, com uma programação mais leve. Ao vivo, a coisa muda de figura. O dub do espaço cantado por uma mulher encontra um interlocutor rapper de timbre grave e, de repente, sobram referências a nomes como Gorillaz e The Good, the Bad and The Queen. Não é para tanto, apenas um caminho fácil de visualizar a parte etérea deles. A Electrozion entra no circuito ainda de forma tímida, com uma boa apresentação no Festival de Inverno de Garanhuns, mas ainda sem ser percebida por eventos mais voltados a cena independente.

Sinal dos tempos. Uma dificuldade que essa galera – dos festivais, não a das bandas – vai enfrentar daqui pra frente quando os gêneros ficarem difusos demais e os eventos segmentados demais. Em que noite de um grande festival você encaixaria, por exemplo, The Mobius Smile, essa faixa ai abaixo?

Popularity: 3% [?]

Random Posts

  • Acima da mídia « Pop up!

    Fui ver o show do Restart no Recife por pura curiosidade morbida. Acabei lembrando desse texto que fiz para o […]

  • A Comuna « Pop up!

    Série com quatro textos sobre os dois anos do projeto da Trama para comercializar música na internet patrocinando o consumo […]

  • Pop up! » Blog Archive » Rock no interior

    Maio 26, 2007 | Por: Bruno Nogueira | Na Seção: Coluna Aproveitando os recém completados 150 anos da cidade de […]

  • Page 192 — Pop up!

    Atenção: Isso aqui não é nem resenha, nem crítica, nem nada. É um texto velho do meu blog antigo, que […]