Interpol em São Paulo – Pop up!

“Rosemary, heaven restores you in life”

Paul Banks deve ter ficado triste quando ouviu a voz dele se confundir com a do público no comecinho de Evil. O show do Interpol em São Paulo começou tão frio, que eles deviam esperar no máximo uma orda de zumbis dançantes. Já era o finzinho da noite no Via Funchal, que tinha começado pontualmente às 21h com o Cachorro Grande tocando num som ruim o suficiente para deixar os fãs apreensivos sobre a primeira oportunidade de ver ao vivo uma das pontas da santíssima trindade do indie rock. Precisaram 13 músicas para cair a ficha e a banda derreter o gelo, fazendo a parte mais insana de sua apresentação.

Cheguei em São Paulo no dia do show, às 6h da manhã ainda. Tudo bem, é uma cidade grande demais para se comover com um único artista, mas a quantidade de cartazes anunciando a vinda de Julio Iglesias remetiam diretamente ao fato que o indie, aqui, ainda só tem força quando age coletivamente. Fora de um Tim Festival, o Interpol era apenas mais um show na terça-feira. E as notícias que chegavam via colegas – participar da produção do Abril Pro Rock conseguiu me por em contato com o agente direto desse show no Brasil – diziam que no Rio de Janeiro e Belo Horizonte seria menos que isso.

Metade do show do Cachorro Grande foi perdida na fila. A assessoria de imprensa da Via Funchal é feita por um equipe quase toda vinda da finada BMG, antes da fusão com a Sony. Foi algo que acabou facilitando meu credenciamento (e um breve primeiro encontro no guichê entre todos). Ser mais antenado com a necessidade de circular entre blogs e sites menores que a mídia tradicional tem seu lado negativo. A fila para pegar a credencial era maior que a dos ingressos. Tinha direito até a um esquema VIP próprio, com Lúcio Ribeiro, o pessoal da Rolling Stone e Marimoon (?????????) não precisando perder muito tempo por lá.

A última metade do show foi ainda mais assustadora. O som era chiado, abafado e havia uma verdadeira orquestra dos volumes, com o baixo e teclado alternando com a voz e guitarra da banda. O Cachorro Grande evita tocar músicas do novo disco no repertório, reconhecendo que a pegada mais leve não funciona ao vivo. Não salvou muita coisa. Havia um choque claro de público também. Moptop e Pato Fu foram escolhas felizes para abrir a noite no Rio e BH, mas associar a banda gaucha com a nova iorquina apenas porque eles se vestem bem não colou muito. Beto Bruno & Cia saíram acompanhados de uns poucos gritos de “acaba logo!”.

A pausa entre os shows serviu para encontrar alguns amigos e perceber como a fila dos bares era gigante. O Via Funchal é bem estruturado, são seis bares. Mas eram seis filas. Fora as para o banheiro. A sensação claustrofóbica só colaborou para notar como estava quente lá dentro. Eram cerca de cinco mil pessoas para ver o Interpol, isso porque o mezanino com os camarotes estavam praticamente vazios. O segredo era ficar estratégicamente no portão que levava a saída, logo abaixo uma forte corrente do ar condicionado. Porque eu tinha inventado, claro, de ir de blazer para o bendito show.

Os primeiros acordes de Pionner to The Falls, com a banda já no palco, foram abençoados. Diminuíram as filas e mostraram que o problema no som era apenas azar do Cachorro Grande. Abrir com o single de trabalho geralmente é sinônimo de uma noite com poucos hits. Mas Obstacle 1, logo na seqüência, sinalizava o contrário. Ao vivo, essa tensão entre dor e alegria que o Interpol processa em suas músicas fica um pouco mais fácil de acompanhar. A banda, sempre vestida de preto, se diverte muito tocando. Faz caretas e sorrisos ao pouco que começa a identificar que tem um público maior do que imaginava no Brasil.

Existia um contraste divertido. Colado no palco, onde assisti a primeira parte do show, as pessoas estavam frenéticas. Em C’Mere e Say Hello To The Angels tinha de gente chorando, sorrindo como quem havia cheirado 15kg de pó, cantando tudo sem parar, pulando e, claro, a voz das meninas berrando “gostoso”. Menos de três camadas de pessoas depois, a postura era outra. Muita gente parada, com expressão de quem avaliava cada segundo da apresentação. Aconteceu uma outra negociação em escalas. O Interpol enlouquecia o público da frente, que enlouquecia o público do meio. Na parte de trás era apenas socialização.

O Interpol passou a fazer praticamente um segundo show quando chegou a hora do retorno programado ao palco. Foram só quatro músicas, mas a sensação foi de que durou até mais. Paul Banks interagiu de verdade com o público, conversando, perdendo a pose de frio. Agora sem os terninhos, guitarra e baixo passavam os limites do palco, quase sendo tocados pelos fãs. A noite terminou relativamente cedo, no comecinho da madrugada. Agora deflorados pelos fãs brasileiros, fiquei com a sensação que eles devem ter feito apresentações bem mais calorosas nas outras cidades.

SETLIST 1 – Pioneer to the Falls 2 – Obstacle 1 3 – NARC 4 – C’Mere 5 – The Scale 6 – Say Hello To The Angels 7 – Mammoth 8 – No I In Threesome 9 – Hands Away 10 – Slow Hands 11 – Rest My Chemistry 12 – The Lighthouse 13 – Evil 14 – The Heinrich Maneuver 15 – Not Even Jail 16 – NYC 17 – Stella Was A Diver And She Was Always Down

18 – PDA

Popularity: 22% [?]

Random Posts

  • Page 51 — Pop up!

    Já percebeu que, nos último três ou quatro anos, todos os grandes sucessos da música pop lá de fora (e, […]

  • Contato – Pop up!

    Abril pro Rock 2007 – Terceira noite • Poucas pessoas foram conferir o encerramento do festival Abril pro Rock, que […]

  • Pela culatra « Pop up!

    Fiquei sem Internet em Natal. Quem passou perto de mim durante os três dias sentiu o desespero. Chegamos em Natal […]

  • Zefirina pós o show – Pop up!

    Zefirina pós o show 18Feb2007 Seção: Blog Por: Bruno Nogueira Já diz o ditado. Tá no rock é pra se […]