Radiohead – In Rainbows – Pop up!

rainbows-9952088

Já se passaram dez dias que a banda inglesa Radiohead lançou seu sétimo disco “In Rainbows“. O trabalho não era aguardado (a três anos) apenas pelos fãs, mas também por todos que acompanham, de alguma forma, o processo como nós consumimos música. Desde o álbum “Kid A“, o primeiro na história a aparecer inteiro na Internet antes do lançamento oficial, eles já tinham um papel importante nessa história. Quando anunciaram que agora trabalhariam sem gravadora, rompendo contrato com a EMI, e que cada um pagaria quanto quisesse pelo disco, criaram um verdadeiro terremoto.

Na metade desse tempo, “In Rainbows” já vendeu cerca de 1,3 milhão de cópias pelo site da banda, que faturou uma média de R$ 20 milhões. Apesar de dar a opção de não pagar nada pelo disco, a grande maioria das pessoas optou por uma média de 4 libras (aproximadamente R$ 15). Dinheiro suficiente para cobrir todos os custos que tiveram e, sem o modo tradicional de trabalho de uma gravadora (leia-se: Jabá), conseguiram a maior mídia espontânea de toda a carreira. Os números trazem dados suficientes para a notícia ser maior que a própria música da banda. Mas esse não é o caso.

Dez faixas, numa qualidade de 160kbps (número baixo para a maioria dos fãs de música), centralizam o Radiohead como a banda mais importante do mundo pop hoje. “15 Steps” abre o repertório mais brilhante deles até agora. Soa exatamente como tudo que se espera ouvir do Radiohead, algo raro para uma banda tão esteticamente inconstante. Thom Yorke e sua banda conseguiram iluminar a idéia de que liberar o disco online é um bom negócio e também que, as vezes, a música soa melhor quando é previsível. Um sampler do que parecem ser palmas de crianças escondido na gravação dá a dica que a banda está mirando alto nos shows.

Bodysnatchers“, segunda faixa, é o pote de ouro que se encontra no fim do arco-íris do Radiohead. Nela, fica a sensação de que qualquer valor pago pelo disco tem retorno garantido. É um Crescendo no repertório, a música mais alta e também mais agitada. Lembra os melhores momentos de “Kid A” e “Ok Computer“. A partir daqui fica mais claro que a opção de composição do Radiohead foi mesclar sonoridades dos discos passados. E isso contribui para que este seja seu trabalho mais fácil e acessível. Um ouvinte regular de música pop se viciaria fácil em “In Rainbows”.

A dinâmica das músicas fica mais pop a partir de “Weird Fishes/Arpeggi” e em “Faust Arp” surgem referências claras dos Beatles. O nome vem da técnica de Arpeggio (quando as notas não são tocadas simultâneamente), usada com o violão acústico. Nessa e em “Reckoner“, o Radiohead soa mais cerebral como em disco passados, brincando com as texturas das músicas. Um surto rápido, que não chega a comprometer o “In Rainbows”. Passo que eles retomam em “House of Cards“, onde Yorke abre mão de suas charadas para dizer diretamente que “eu não quero ser seu amigo, quero ser seu amante” (I Don’t want to be your friend, I just want to be your lover).

“In Rainbows” termina com “Videotape“, música que já tinha aparecido antes em vários shows da banda, com uma introdução em piano, mas foi gravada de maneira completamente diferente. Sela uma tradição do Radiohead em transformar seus discos numa queda de montanha-russa. O começo é sempre alto e, na última faixa, resta uma música lenta e quase falada. Também reforça uma temática mais sombria da banda, citando em várias faixas alguns dos demônios da lenda alemã “Fausto“.

Ainda não comprou o seu?

  • In Rainbows animadoUma das maiores lições que Brent Grulke, diretor criativo do festival South by Southwest, foi que “a melhor coisa que você pode conseguir é que as pessoas amem sua música”. E no mundo 2.0 talvez quem melhor traduza isso seja o Radiohead. Afinal, que outra banda tem toda sua horda…
  • Sem querer criar alarde……Mas só restam 5 mil ingressos para o Radiohead em São Paulo. Olha o release que acabou de chegar: Restam apenas 5.000 dos 30.000 ingressos postos à venda para o show da banda inglesa Radiohead em São Paulo. No Rio de Janeiro, 18.000 dos 35.000 ingressos foram vendidos até a…
  • Efeito Arco-ÍrisConsiderando o sucesso da iniciativa da banda Radiohead, a conseqüência foi quase inevitável. Nos últimos três meses que seguiram o lançamento online do disco “In Rainbows”, uma enxurrada de artistas decidiu seguir o mesmo caminho e disponibilizar seus discos para que o fã decidisse o preço – ou nem isso,…
  • É você quem sabeDizem que as principais mudanças na forma como consumimos música só acontece quando os grandes jogadores (as gravadoras multinacionais, bandas de alcance internacional, etc) entram no páreo. E, nesse jogo, a banda inglesa Radiohead é um dos grandes artilheiros, desde que deixou “vazar sem querer” o “Kid A”, primeiro disco…
  • Franz Ferdinand – You Could Have it so Much BetterPode ficar tranqüilo. Eles tiraram o exagero eletrônico, mas continuam com aquelas boas guitarras que fazem as meninas dançar na pista de dança. …

Random Posts

  • Pop up! » Blog Archive » Madrugão

    Junho 12, 2006 | Por: Bruno Nogueira | Na Seção: Blog • Notícias de Silvério Por email: “A tour foi […]

  • E a Oi olhou mais uma vez para uns independentes « Pop up!

    Uma das notícias que mais repercutiu aqui no Pop up ano passado foi o novo edital de patrocínio lançado pela […]

  • Pop up!

    Se depender de “Get Behind Me Satan”, quarto disco do White Stripes, podem começar a institucionalizar o fim do baixo, […]

  • Pop up!

    Filho de uma família de intelectuais, Supla é, apesar de toda pose, um cara bastante esperto. Ele atende o telefone […]