Vanessa da Mata – Sim – Pop up!

A voz de Vanessa da Mata esconde um tipo de segredo, cada vez mais raro na produção brasileira de música. É boa de ouvir, a ponto de que já na primeira impressão tudo parece muito certo, agradável e até o exagero do inquestionável. Efeito que dobra de proporção se visualizarmos um agudo tão afinado vindo de uma mulher de estatura tão alta. Diferentes noções de intimidação que ela usa a seu favor para se firmar como uma das artistas mais equilibradas do repertório nacional em Sim, terceiro disco que lança na carreira da nova balzaquiana.

Diferente dessa população média de artistas, Vanessa da Mata tem ainda a vantagem de que bom gosto costuma intimidar muito. E apesar de ser compositora, dona das próprias mensagens, Sim é um óbvio disco de muitas mãos. As dela, as do produtor e de toda estrutura que uma gravadora internacional como a Sony/BMG pode oferecer. Como em Boa Sorte / Good Luck, música que Ben Harper recebeu pelo correio para gravar junto a ela. Sob muitos aspectos, esse poderia ser o tipo de disco que muitos gostariam de ter a segurança em lançar.

Vanessa está diferente nesse disco. Mais refinada, sua maior contribuição nesse trabalho coletivo é dar um tempo no clima agitado que suas músicas traziam (vale lembrar a Ai ai ai), para mostrar um lado menos espalhafatoso. Resultado de referências que ela passou a receber, em última instância, do reggae e bolero. A seqüência de abertura – todos com jeitão de hits – com Vermelho, Fugiu com a Novela e Baú já apresentam esses novos sons que ela apresenta em sua própria versão processada.

Os outros personagens de Sim são visíveis apenas ao ouvido atento e os curiosos com o encarte do disco. Ela estava acompanhada no estúdio de um dos times mais requisitados da atual música brasileira. O produtor Kassin, o baterista da Nação Zumbi Pupilo, o guitarrista do Cidadão Instigado e já antigo companheiro Fernando Catatau. É muito evidente a influência desse último nos novos arranjos tipo “brega cool”, que algumas músicas como Ilegais traz.

Mesmo sendo um bom disco, Sim não deve trazer muitas mudanças para a carreira de Vanessa da Mata. Pode ser visto como um trabalho de manutenção da própria imagem, agora que ela já se estabeleceu no patamar dos grandes artistas. Um recado cuidadoso – com direito a uma música de protesto ecológico – de que ela não está interessada (ainda) em desandar pelo pop noveleiro, acústico e outros formatos que dão sempre um empurrão perigoso em qualquer carreira. Opção muito mais honesta da parte dela, que só merece mais louvor.

  • Entrevista – Vanessa da Mata Marcada com uma semana de antecedência pela gravadora, parecia que uma má sorte de eventos cancelaria a conversa com Vanessa da Mata. Tensão resolvida após longos minutos, com a assessora avisando que ela falaria do próprio celular. E pela quantidade de barulho do vento, ainda devia estar na rua…
  • Lanny Gordin – Duos WPvideo 1.10 Download! Fevereiro, Teatro de Santa Isabel, durante a Feira Música Brasil/Porto Musical e poucas noites antes do Carnaval no Recife. Começa uma tensão entre Lanny Gordin, o artista que está no palco, e o público presente. Uma disputa onde vence quem está mais concentrado naquele único momento….
  • Nação Zumbi – Futura O maracatu da nação zumbi perdeu uma tonelada. O novo disco está mais recheado de grooves, guitarras dançantes, junto com os velhos e bons refrões…
  • Dieta da músicaÉ difícil acreditar que as grandes gravadoras (Sony, Universal, Warner, EMI) querem mudar seu método de trabalho. Principalmente numa semana que a Sony entrega nas lojas sua famigerada novidade, num terrível trocadilho com a nova onda de refrigerantes diets, o “CD Zero”. Na teoria, um disco com poucas músicas para…
  • Nação Zumbi – Fome de Tudo Uma coisa que a digitalização da música ainda não conseguiu mudar é o fato de que a melhor primeira experiência para um disco é sempre visual. Com formato digipack (aquela bandeja plástica envolta de papel cartão), “Fome de Tudo“, o sétimo disco da Nação Zumbi, salta os olhos e…

Random Posts

  • Retrospectiva – Parte 2 « Pop up!

    E os melhores discos do ano, vocês lembram? Minha lista é essa aqui: 1. Violins – Tribunal Surdo [ resenha […]

  • Pop up!

    Junho 30, 2007 | Author: Bruno Nogueira | Arquivar em: Blog Existe uma santíssima trindade do rock independente? Meio que […]

  • folk – Pop up!

    Mallu Magalhães no Bananada 2008 By: Bruno Nogueira on: Jun 1,2008 In: Blog Eddie Vedder – Into the Wild By: […]

  • Pop up!

    21 Agosto, 2007 21 Agosto, 2007 14 Agosto, 2007 12 Agosto, 2007 11 Agosto, 2007 11 Agosto, 2007 11 Agosto, […]