Entrevista – Vanessa da Mata – Pop up!

van02-1250250

Marcada com uma semana de antecedência pela gravadora, parecia que uma má sorte de eventos cancelaria a conversa com Vanessa da Mata. Tensão resolvida após longos minutos, com a assessora avisando que ela falaria do próprio celular. E pela quantidade de barulho do vento, ainda devia estar na rua enquanto falava. No terceiro disco, parece que pressões desse tipo – essas agendas costumam ter 10 a 15 entrevistas por dia – já são um lado mais fácil de seu trabalho.

Eu deixo a pressão chegar a mim, eu funciono bem com ela”, comenta, sempre entre sorrisos. “Mas ela não é bem-vinda, depois de Ai, Ai Ai, eu liguei um nem ai para quem vinha perguntar quando viria o próximo sucesso”, explica. Botão que ela não aperta para si mesma. “Pressão minha sempre tem, quero fazer um negócio que me orgulhe, mas ai já é algo que eu lido melhor”, comenta e compara “Muita gente faz autopressão e não sai do lugar”.

Vanessa não se preocupa também em confessar logo as novas referências. “Eu já tinha idéia de fazer um disco de reggae, algo que tivesse o som do norte do Brasil, brinquei também com o carimbó e outros ritmos”, enumera. O convidado que dá peso ao disco, ela explica, foi idéia de seu produtor. “O Mário Caldato mostrou a canção para o Ben Harper em Los Angeles e ele adorou”. Caldato já produziu os Beastie Boys, Bebel Gilberto, Beck e se prepara agora para pôr as mãos no próximo disco da Nação Zumbi.

Pressão minha sempre tem, quero fazer um negócio que me orgulhe

Os outros convidados foram todos ótimas coincidências”, explica. “Encontrei o Pupilo por acaso no Rio de Janeiro, conversamos, parecido como foi com Catatau, que já estava no disco anterior. O trabalho deles é muito estiloso, era algo que eu queria no disco”. Tantos bons acasos, quando se está numa grande gravadora, costuma ser duvidoso. Um outro personagem desse disco é o jornalista Bruno Natal, que gravou imagens que farão um DVD a ser lançado em breve. “Conhecia o trabalho dele pelo Chico Buarque, gostei porque o que ele faz não é piegas”.

O vídeo será todo concentrado no estúdio. “É uma coisa natural para mostrar como é lá dentro, o trabalho de estúdio é bem árduo”, explica Vanessa. E desses dois lados do artista, ela confessa também que prefere o outro. “O estúdio para mim é muito frio, tenho necessidade de sair dele, prefiro estar na estrada”. A próxima estrada, por sinal, será bem longa. O show de Sim estréia primeiro em Nova Iorque, depois em Portugal.

  • Vanessa da Mata – SimA voz de Vanessa da Mata esconde um tipo de segredo, cada vez mais raro na produção brasileira de música. É boa de ouvir, a ponto de que já na primeira impressão tudo parece muito certo, agradável e até o exagero do inquestionável. Efeito que dobra de proporção se visualizarmos…
  • Entrevista: PittyAno passado, mesmo quando já tocava como atração do palco principal do Abril pro Rock, Pitty passeava pelo Centro de Convenções, com cara e jeito de moleca que chegava a se confundir com outras garotas do show. “Não dá mais”, diz, em entrevista por telefone. “É uma pena, porque eu…
  • Entrevista: Mallu Magalhães Cantora fenômeno ou apenas a pessoa certa no período de maior carência por novidade na música popular brasileira?…
  • Entrevista – Martinho da Vila Com disco novo praça, Martinho da Vila arregaça as mangas e descarrega o sotaque da malandragem para dar um aviso: Vou Viajar. É o título da faixa que abre Martinho da Vila do Brasil e do Mundo e tem noção mesmo cronológica, para avisar que ele pretende absorver referências…
  • Entrevista: Martinho da VilaAté hoje fico impressionado e me repetindo q tomei uma cerveja com ele.Visto de longe, na tela de um Faustão, Martinho da Vila nem parece que é gente como a gente. Com 68 anos de idade e 38 de carreira, escreveu sambas que já atravessam gerações. Alguns refrães, como “vai…

Random Posts

  • Pop up!

    Setembro 23, 2007 | Author: Bruno Nogueira | Arquivar em: Blog O ano já está bem perto de acabar e […]

  • Pessoas Invisíveis « Pop up!

    Mar 17, 2009 10 Comentários O podcast entra oficialmente em sua fase baiana. Como tempo livre aqui é bóia, eu […]

  • Nação Zumbi – Fome de Tudo « Pop up!

    Uma coisa que a digitalização da música ainda não conseguiu mudar é o fato de que a melhor primeira experiência […]

  • Resumão de Salvador « Pop up!

    Eu sei que é meio esquisito como eu passei a gostar tanto de Salvador nos últimos cinco ou quatro anos. […]