Entrevista: Moptop – Pop up!

moptop2-1677485

Gabriel Marques é o vocalista, guitarrista e fundador do Moptop. A história começa com ele em casa, querendo aprender a usar o protools (programa para editar música) e gravando no próprio quarto a sua voz, guitarra e programando a bateria. Da história, surgiu o Delux, que então virou Moptop.

Porque lançar um disco, já que a Internet foi tão boa para vocês?
A gente pensou muito. Muito mesmo. Engraçado que anos atrás ninguém cogitava dizer “não” para uma gravadora. Colocamos numa balança o que ganhava e o que perdia. O disco em si não daria retorno financeiro pra gente. O fonograma é da Universal, o retorno financeiro vai muito mais pra eles. E mesmo assim a gente achou que ganhávamos mais. Um disco bem lançado, além das vendas, tem o show, a camiseta, no direito autoral. Uma banda tem vários retornos. Hoje em dia não é só o disco.

E mudou alguma coisa significativa para a banda?
Para gente mudou muita coisa já. A gente nunca tinha entrado em estúdio, as baterias eram todas programadas, instrumentos ligados diretos no computador. A gente fez um disco bacana, mas com muitas limitações. Só de entrar num estúdio pelo menos a gente tinha uma escolha do que queria que fosse sujo ou limpo.

A semelhança das músicas com o Strokes pesou na hora da gravação?
A conversa rolou sim. Nós somos os primeiros a admitir a semelhança. Realmente tem, mas não é tão proposital. É complicado curtir esse tipo de som e ter o mesmo universo musical deles e não fazer algo assim. Pelo Strokes ser a primeira, claro que tem a comparação. O que faz sentido é em outro momento, outro trabalho, de repente tentar algo diferente. Não tinha para que mudar o que já tava bacana. Se ficou bom ou ruim, isso é critério de quem ta escutando.

Vocês vão ter liberdade para continuar trabalhando com Internet como antes?
Para nós, a única coisa que está mudando é não poder fazer o download gratuito. Desde a arte do disco ao clipe, a quem iria produzir, a maneira que ele sairia, nunca houve imposição. A idéia do iMusica foi da Univeral e a gente achou bacana. Não é ainda como a gente queria, mas já é um avanço.

A gente fez o hotsite do disco que dá para ouvir ele inteiro e isso é bacana, o cara pode olhar ants. Tem um making of, aliá um “faking of”, que a gente vai começar a divulgar. Queremos fazer um campeonato de pacman e dar visibilidade para nosso trabalho em inglês, já que a gente toca ele pouco.

Já que vocês estão provocando essas mudanças, como você acha que vai ser o futuro do disco?
A longo prazo, a banda vai ter que negociar diretamente com o cliente. Botar o disco inteiro e cobrar algo tipo R$ 5. Afinal você não tem custo nenhum já, então é um retorno razoável. Nem sei quanto a gravadora ganha. Eu acho que o futuro é isso, meio que você liberar por um preço muito baixo e esperar um retorno maior que não seja aquele.

Escute aqui: Seja até o fim

Veja também:

Moptop (resenha do disco)
O Rock Acabou (clipe)

Links:

Site oficial
Comunidade no orkut
Compre o disco (ou só as faixas)

  • Moptop Questionário rápido: diga cinco artistas nacionais que fizeram sucesso cantando em inglês? Segunda pergunta: quantos representantes o Brasil teve deste novo rock iniciado pelos Strokes no começo dos anos 2000? E, para encerrar a trívia: que resultados concretos o cenário independente brasileiro de música conseguiu neste mesmo período de…
  • Entrevista: Cidadão Instigado Fernando Catatau não sabe que ele está na moda. Mas, no último show do Los Hermanos no Recife, antes da banda entrar no palco, todos cantavam em coro e dançavam com as mãos as músicas do Cidadão Instigado. Hoje, uma banda que não toca mais na rádio, nem aparece…
  • Entrevista: DJ PatifeO embaixador do Drum’n’Bass lança seu primeiro disco como produtor, depois de cinco anos longe das lojas…
  • Entrevista – Vanessa da Mata Marcada com uma semana de antecedência pela gravadora, parecia que uma má sorte de eventos cancelaria a conversa com Vanessa da Mata. Tensão resolvida após longos minutos, com a assessora avisando que ela falaria do próprio celular. E pela quantidade de barulho do vento, ainda devia estar na rua…
  • Moptop – Como se comportar Talvez o amadurecimento não devesse ser um tema tão recorrente ao se falar de segundos discos. Fico pensando o quanto já não me repeti puxando o assunto por esse mesmo gancho. E agora, ouvindo o segundo disco do Moptop pela sei lá quantas vezes, me pergunto se não devia…

Random Posts

  • demosul « Pop up!

    May 19, 2009 18 Comentários Se fosse levantar uma estatísca dos emails e comentários que recebo aqui no Pop up, […]

  • Pop up!

    29 Abril, 2007 29 Abril, 2007 29 Abril, 2007 26 Abril, 2007 25 Abril, 2007 24 Abril, 2007 21 Abril, […]

  • Pitadas de crise – Pop up!

    No último fim de semana, em um (cada vez mais constante) desabafo via msn, soltei um “queria largar o jornal […]

  • Aumenta que é Rock 2008: Programação « Pop up!

    Outubro é o mês do rock em João Pessoa. Além do Festival Mundo, que falei abaixo, também acontece na cidade […]