Teresa Cristina – Delicada « Pop up!

teresa-1840265

A música brasileira também é sazonal. Muitos dos nossos ritmos estão  sempre ligados a um determinado período do ano. O forró é de junho, o samba de fevereiro, assim por diante. Superar essa amarra é um dos termômetros para o sucesso de qualquer artista que esteja inserido no mercado tradicional – aquele que ainda vende discos e precisa esperar até o mês certo para anunciar a novidade. Teresa Cristina está vivendo duas superações. A primeira, deixando de ser uma artista independente para ser lançada agora pela gigante EMI e a segunda, mais importante, conseguindo mostrar que seu samba é para qualquer dia do ano.

É por isso que “Delicada”, novo trabalho dela com o Grupo Semente, chega tranqüilo em plena transição de setembro para outubro. “Cantar é achar o tom da alegria perdida e não ter que explicar para ninguém a razão dessa tal melodia”, versos perdidos entre as estrofes de “Cantar”, abre o disco explicando bem a situação. De certo modo, qualquer leitura de moda que o samba esteja passando no momento, muito do crédito se dá  ao canto de Teresa Cristina.

No disco, ela chega com músicas de Paulinho da Viola (algo freqüente em sua carreira), Walter Queiroz, Candeia e Caetano Veloso. Teresa mostra cada vez menos seu lado de intérprete e a opção tem valorizado suas próprias composições mais que o esperado. São nas letras assinadas por ela que se encontra o verdadeiro ouro deste novo repertório. A novidade, dessa vez, é a abertura que suas músicas estão tendo para receber referências de outros ritmos. Em seu quarto trabalho, o samba agora começa a ficar com ares de baião e bossa.

O próprio batismo do disco vem da bossa nova “Delicada”, de Zé Renato, melodia que Teresa Cristina usou para fazer a letra. Apesar das misturas, o disco inteiro ainda tem um jeitão de “música da Lapa”, reflexo da imagem que a cantora construiu para si mesma no começo da carreira. Ela vence o limite temporal para se encontrar em barreiras geográficas. Boa parte do repertório desse disco não é mais novidade para quem a acompanha nos palcos do bairro carioca. Teresa vai precisar vislumbrar palcos distantes, antes de voltar a própria casa.

Claro que, desossado, “Delicada” revela a vontade que a cantora tem por desafios. No novo disco, mesmo sem tocar nenhum instrumento, ela aparece pela primeira vez como arranjadora na faixa “Pé do Lajeiro”, junto com João Callado, cavaquinho do Grupo Semente. Reconhecendo seu lugar de fala, Teresa Cristina encerra o disco com um três-em-um que lembra um bloco de Carnaval. Relembra “Fechei a Porta”, que fez sucesso na voz de Jamelão, junto com “Rosa Maria”, de Aníbal da Silva; e “Jura”, de Marcelino Ramos.

Mais fotos no flickr do rômulo queiroz

Random Posts

  • Amarénenhuma « Pop up!

    Show de lançamento do disco Amarénenhuma, da banda Nuda. Release | Resultado de mais de um ano de dedicação, o […]

  • helloween « Pop up!

    Feb 24, 2008 1 Comentário Comossessabem, este ano eu e o Guilherme nos metemos na curadoria e assessoria do Abril […]

  • Pop up!

    A gravadora Trama lançou esta semana nas lojas o disco “Whatever People Say I Am, That’s What I’m Not”, do […]

  • Tony Parsons atira contra o pop « Pop up!

    “Se você não for ver esse show, tudo que posso dizer é que você é um idiota”. São poucos os […]