Pavilhão 9 – Público Alvo « Pop up!

Não importa o que fale as letras, o rap é música do crime. Tocada na periferia, para um público sem informação, que não compreende a mensagem e sente orgulho em pegar em armas. Não importa o que fale as letras, porque o cinema também fez sua parte construindo essa imagem de violência. Isso já foi bonito. O Pavilhão 9, mais explícito, já disse que “se Deus vier, que venha armado”. Mas em sinais de uma civilidade que vota pela venda de armas, fica o espaço apenas para o duplo sentido. “Público Alvo”.

Mais complicação para um público que, apesar dessas brincadeiras de civilidade, continua desinformado. Mesmo fora da Warner, o Pavilhão 9 precisa sobreviver no cenário “mainstream” de clipes na MTV e músicas na rádio que foi inserido. E, por isso, a banda que já excedia nas guitarras, baixos e baterias, fica ainda menos rap no seu sexto disco. E eles fazem isso muito bem, passando da antiga influência hardcore para um metal mais pesado.

“Público Alvo” é sonoramente mais violento, com participação do vocalista do Biohazard (um dos maiores berros existentes na música), mas de postura muito mais educada. Mostra que Rhossi e seu companheiros estão bem conscientes e com pé no chão. Se fosse o contrário, o disco passaria direto da rádio para as campanhas do “vote sim” ou “vote não” do atual referendo pelo desarmamento. Prefere ficar como um trabalho simples, mas sincero de música.

Mesmo assim, o Pavilhão não deixou de cantar o crime. Da mesma de forma de sempre, criticando, conscientizando, só que numa mensagem ainda mais difícil de captar pela classe mais baixa. Atitude que deixa tanto disco quanto banda em cima do muro. Uma pena, já que desinformação se confronta com verdades. O tipo de verdade que seria bem vinda de uma banda de rap montada em cima de uma ideologia e com grande área de efeito.

“O que eu posso dizer para você é que onda a gente chega, é bem recebido”. Munari, guitarrista do Pavilhão 9, não mede palavras. Numa sala onde se ouvia a voz de todos os integrantes da banda respondendo perguntas de jornalistas, ele cedeu uma entrevista por telefone sobre a resposta do público ao peso extra no novo disco. “Não é uma coisa pensada, planejada, vai da personalidade da gente”, garante.

É também sem meias palavras que explica que o Pavilhão 9 está “internacionalizando as influências”, mas é incisivo ao deixar claro que a banda ainda é de rap. “Sem querer soar exagerado, mas o rap tem uma força muito grande”, diz referente a mistura de ritmos. “Hoje você integra elementos de áreas diferentes do planeta, tem gente fazendo muita coisa boa com isso e tá expandido bastante”, lembra. “É bastante natural”.

Ele também reconhece a importância de um lançamento da banda em época de referendo. “É recorrente até ao próprio título do álbum, mas como movimento, me sinto até constrangido de me envolver publicamente”, comenta. Munari levanta questões de livre arbítrio, que ultrapassa qualquer direito e também da finalidade das armas, “é uma coisa feita para matar”. Confessa que “não quer parecer em cima do muro”. Mas protesta que “é uma chantagem quando você pergunta a um artista sobre isso, porque existem milhões de fundamentos que devem ser dados por especialistas e não por um músico”.

Publicado originalmente em 19.10.05

Random Posts

  • Engrossando o caldo – Pop up!

    Semana passada, um outro jornal da cidade lembrou muito bem das cobranças para o novo governo de Eduardo Campos. Esta […]

  • Page 4 — Pop up!

    Mãozinhas para cima para Mayer. Foto de Dudu Schnaider Teve um tempo que eu bocejei forte para aquele papo datado […]

  • Page 18 — Pop up!

    Nevilton é do Paraná. As vezes é o nome desse cara no canto direito, mas também é o nome da […]

  • Pop up!

    29 Abril, 2007 29 Abril, 2007 29 Abril, 2007 26 Abril, 2007 25 Abril, 2007 24 Abril, 2007 21 Abril, […]