Page 26 — Pop up!

  • Cobertura feita para o portal Conexão Vivo, publicada nos dias do festival

    cm03-5756038

    Quando a segunda noite do No Ar Coquetel Molotov começou, para as poucas pessoas que decidiram chegar mais cedo no Centro de Convenções, ainda não era possível suspeitar a principal característica dessa noite. Pela primeira vez, em seis anos, ao escalar o encontro entre Lô Borges e Milton Nascimento para celebrar os 35 anos do álbum Clube da Esquina, o festival conseguiu atrair um perfil totalmente inédito de público, que já havia passado dos 40 anos de idade e era totalmente despreocupado em desfilar o visual mais moderno do pavilhão.

    Leia o texto completo »

    Seção – Blog

  • Cobertura feita para o portal Conexão Vivo, publicada nos dias do festival

    cm02-3978815

    Toda essa impressão de que o Coquetel Molotov tinha triplicado de proporção fez ainda mais sentido quando se entrava no Teatro Guararapes. Palco meticulosamente montado com um telão aguardando o público que, aos poucos, começavam a já reservar seus lugares nas primeiras fileiras. Teatro sem lugares marcados geralmente é sinônimo de confusão. No festival, foi de tranqüilidade. Permitia um transito de vai e vem por quem não estava interessado em assistir um show inteiro (afinal, a maioria ainda estava ali por Beirut).

    Leia o texto completo »

    Seção – Blog

  • Cobertura feita para o portal Conexão Vivo, publicada nos dias do festival

    Tanta coisa mudou nessa nova edição do No Ar Coquetel Molotov. É como se um ciclo novo começasse agora, tanto para o evento quanto para a cidade. Quase todas as principais características das primeiras edições mudaram. A salinha apertada e fervendo de quente com os pocket-shows virou o espaçoso Auditório Tabocas, um dos lugares mais legais para se fazer shows no Recife e que pouca gente tinha percebido até então. Climatizado, com pufes da Vivo espalhados e um grande palco.

    Leia o texto completo »

    Seção – Blog

  • mlsa-1452293

    Outubro tem práticamente um festival por fim de semana. O Festival Mundo, que abre o mês em João Pessoal, completa um ciclo após cinco anos e se redefine totalmente em formato. Com shows de Mundo Livre S/A, Guizado, Black Drawing Chalks, Amp e diversas outras atrações locais e do Nordeste, eles reforçam a presença da Paraiba no circuito da música independente. É o primeiro ano deles como membros da Abrafin. Além dos shows, eles promovem mostra de filmes, exposição de artes plásticas e debates.

    Leia o texto completo »

    Seção – Blog

  • danko-6149995

    Um dos principais festivais hoje no Nordeste, o DoSol divulga sua tradicional maratona de 31 shows que acontecem na Ribeira, em Natal. Com patrocínio da Oi, eles trazem dois grandes nomes internacionais na programação, Danko Jones e The Exploited, além de uma banda norueguesa. Uma outra novidade é que esse ano o festival terá um drops em Recife, com parte de sua programação sendo apresentada na cidade vizinha. Entre os nomes nacionais, tem o excelente Cassim e Barbária e a novissima Vendo 147. Confira a escalação:

    Leia o texto completo »

    Seção – Blog

Random Posts

  • Pop up!

    29 Abril, 2007 29 Abril, 2007 29 Abril, 2007 26 Abril, 2007 25 Abril, 2007 24 Abril, 2007 21 Abril, […]

  • Pop up!

    23 Agosto, 2007 21 Agosto, 2007 21 Agosto, 2007 14 Agosto, 2007 12 Agosto, 2007 11 Agosto, 2007 11 Agosto, […]

  • Nordeste Independente #2 « Pop up!

    Semana passada eu peguei uma virose e todo esforço que fiz para me livrar dela foi para conseguir trabalhar no […]

  • O Baile Betinha « Pop up!

    Comecem a semana com o grande clássico do cancioneiro pernambucano de 2005. O Baile Betinha, de Erasto Vasconcelo. Se alguém […]