Música digital | Pop up!

  • Blog
  • Reportagens
  • Discos
  • Downloads
  • Sobre o site e o autor

15/09/2010

itunes-7968851

Dizer que o Brasil ainda engatinha no que diz respeito a um mercado de música digital é exagerar no otimismo. Temos algumas ações independentes isoladas – como o rapper Emicida, que decidiu vender por email sua música, conseguindo atingir mil vendas em menos de uma hora – mas, no geral, o grande público ainda recebe ofertas caras por arquivos de pouca qualidade. Comprar músicas online, na maioria das plataformas, é uma péssima idéia. A melhor alternativa, na maior loja de música digital do mundo – a iTunes Music Store – se abre aos poucos para o público, mas ainda é bem fechada para artistas.

A ONERPMOne Revolution People´s Music aposta nesse grande gargalo. Até agora, alguns produtores específicos conseguiam fazer essa ponte entre bandas nacionais e a loja do iTunes, mas ninguém tinha transformado isso em negócio aberto. Além da loja da Apple, eles negociam músicas nas plataformas do LimeWire e eMusic. O sistema é bem simples: o próprio artista se cadastra, envia suas músicas e decide por quanto elas serão vendidas. Sem mexer em direito autoral e com uma boa divisão de royalts – a banda (ou selo) fica com 90% da venda.

Enquanto fazem um bom negócio do lado dos artistas, aproveitam para fazer outro do lado do público. A jogada é para promover a própria loja da OneRPM, que também vende música digital (artistas podem escolher faixas gratuitas para degustação). Ainda é possível baixar a faixa em formato WAV, sem perder qualidade de compressão, o que é bom para DJ’s. Até ai não tem nada muito diferente do que já era feito por outras lojas. A grande vantagem da loja são os preços: o álbum mais caro custa R$ 12,99 e é possível comprar faixas por até R$ 0,79. Isso permite algo inédito, como vender música para o público internacional em dólares e para o brasileiro em reais, cobrando exatamente o mesmo valor proporcional.

Written by Bruno Nogueira 8 Comments Posted in Blog Tagged with Música digital, MP3, OneRPM 20/01/2009

ebook-3528963

O título longo acima não é meu. É do livro 20 things you must know about online music, um e-book escrito por Andrew Dubber (o cara da foto) e que é disponibilizado de graça em seu site, o New Music Strategies. O que ele fez foi reunir uma série de posts onde já escrevia naturalmente sobre o assunto, só que agora dividido em capítulos. Depois empacotou tudo em PDF e pronto, o link para download está lá e aqui também.

Os assuntos são bem interessantes. De clássicos conselhos como “não acredite no hype” a “customização”, “cauda longa”, “web 2.0″, “profissionalismo”, dicas para ser encontrado facilmente em sistemas de buscas, dicas sobre RSS (se você ainda não sabe o que é isso, talvez nem devesse estar aqui). Além disso, tem alguns tira-dúvidas valiosos sobre permissão e personalização, marketing viral e sistemas de recompensa.

Parece frase feita, para causar efeito, mas entre todas as dicas, a principal é a “coisa 20″, que ele batiza de “Esqueça os produtos – venda relacionamentos”. É como uma série de primeiros passos, parecido com aquele sobre como fazer um festival que já coloquei aqui no Pop up. Leitura obrigatória para quem tem banda e quer sobreviver na internet.

Written by Bruno Nogueira 1 Comment Posted in Blog Tagged with livro, Música digital, MP3, produção autor-7010598 Jornalista, professor, pesquisador e pai. Música, mídia, redes sociais… e boa gastronomia! 🙂

Random Posts

  • Pop up!

    Setembro 16, 2007 | Author: Bruno Nogueira | Arquivar em: Blog, Reportagens Há mais ou menos três meses, entrei bebado […]

  • Selos ainda não topam patrocínio « Pop up!

    Escritório da Monstro Discos, em Goiânia A banda lançada desta vez pelo Álbum Virtual se chama Pata de Elefante. Um […]

  • Móveis Coloniais de Acaju – C_mpl_te « Pop up!

    Em um mercado profetizado que a grande renda do artista seriam os shows, a maior crítica que era feita aos […]

  • Pop up!

    Luciano Matos está fazendo um Top 5 geralzão com jornalistas para postar em seu blog. Saca o papo que rolou […]