Independência, parte dois | Pop up!

Primeiro vieram os festivais

Em um cenário apocalíptico onde as grandes gravadoras começaram a apertar a descarga do departamento artístico, reduzindo contratos e lançando cada vez menos discos e músicas, as bandas encontraram nos festivais independentes um sopro de sobrevida. Do primeiro arquivo em formato MP3, há 10 anos, até este fim de semana, a Internet escancarou um fato que não era peciso esforço para ignorar: existem centenas, senão milhares, de bandas lançando coisa nova em todo momento. E se essas bandas não iriam mais assinar contratos, poderiam pelo menos vislumbrar um calendário de grandes eventos ao longo do ano inteiro, em todo o país, que garantiria ao menos uma mímica de mercado independente.

A Associação Brasileira dos Festivais Independentes (Abrafin) permitiu isso. Essa informação de que em um estado distante como Cuiabá tinha eventos tão interessantes como a então efevercente cena do Recife. E que as bandas de Belo Horizonte encontrariam um grande evento logo ao lado, em Goiânia. Os eventos se conectaram e, com a troca de informações, criaram um grande funil para bandas independentes. A coisa ficou mais séria e, quem quisesse tocar, teria que aprender a abrir mão de certas regalias e passar a colocar a banda em primeiro lugar. Pouca gente aguentou o tranco e até cancelou participação em festivais.

Muita banda inclusive acabou depois de tocar em festival. E, provavelmente, muito mais bandas devem acabar a partir de agora, porque o negócio vai começar a ficar realmente sério.

Até então, depois dos festivais não vinha mais nada.

Uma das conseqüências que a Abrafin trouxe ao meio independente do país foi uma facilidade melhor de articular uma turnê fora do país. Nos últimos dois anos a participação do Brasil em eventos como o South by Southwest quadruplicou. E enquanto a banda Debate fazia shows em várias cidades vizinhas ao Texas, Eduardo Ramos (sim, aquele do CSS), teve o estalo ao lado do amigo Sérgio Ugeda, da Amplitude. “Estamos tocando no Texas, mas nunca tocamos em Bauru”. E passaram a olhar mais atentamente a vizinhança.

De volta ao Brasil, os selos Slag Recores e Amplitude decidiram juntar os esboços desses questionamentos em idéias concretas. Até então, fazer shows no Brasil sempre significou 1- Fazer uma temporada de dois meses, sempre com média de cinco ou seis shows, nas casas dos arredores da Augusta em São Paulo; 2- Contornar o Nordeste, com um máximo de três shows que passavam por Natal, João Pessoa, as vezes Recife, as vezes Fortaleza. Um potencial enorme sempre foi deixado de lado em cidades do interior.

Nos últimos seis meses, Slag e Amplitude dedicaram tempo exclusivo em desbravar o interior. Primeiro com ligações para donos de bares e casas de shows, a principio desavisados e desinteressados, muito perrengue, visitas nas casas e persistência. O resultado chegou agora: Esses caras estã montando um circuito de nada menos que 90 shows no Brasil. Noventa. E agora, cair na estrada ganha um novo sentido.

Até então, isso é algo inédito. E incrivelmente grande. Nos Estados Unidos as bandas viajam sem muito glamour de cidade para cidade, as vezes fazendo pequenos shows, outras vezes esbarrando em um grande festival. Essa vida na estrada talhou o som desde históricos Led Zeppelins a hypados Klaxons e mesmo estrangeiros como o CSS. No Brasil, é certo afirmar que nenhuma banda independente conheceu de verdade essa vida on the road, que, ironicamente, é até comum a alguns nomes do mainstream do pop nacional.

A primeira turnê Amplitude + Slag será com as bandas Fóssil e Attractive&Popular. Para não começar dando um passo maior que a perna, as duas bandas somam, juntas, cerca de 40 shows. Tocam em Bauru, Botucatu, São José do Rio Preto, Araraquara, Mogi das Cruzes, São Carlos, Rio Claro, Campinas, São José dos Campos, Piracicaba, Limeira, Guarulhos, Sorocaba, Bragança, Franca, Santos, Ribeirão e São Caetano do Sul, além de São Paulo.

Vai ser a primeira vez que uma banda independente consegue fazer um show por dia, todos os dias, sem parar durante um mês.

Nesse trajeto, encontram outras bandas e, com o tempo, vão multiplicando o circuito. Outras bandas como Firefriend e Macaco Bong já estão fechando suas participações nesses circuitos. E Eduardo Ramos e Ugeda já estão articulando novos braços, com Anderson Foca no Nordeste e, mais tarde, Fabrício Nobre no Centro Oeste. A interiorização vai mudar profundamente o comportamento e postura que as bandas começarão a precisar assumir a partir de agora.

Conversei ontem com Eduardo e, na seqüência, vem um post com entrevista. E as bandas podem começar a se preparar para se levar muito mais a sério do que jamais imaginaram. E, na sequência, as datas das turnês, que começam dia 23 de setembro.

Random Posts

  • Tortoise « Pop up!

    Sep 03, 2006 2 Comentários Crescer é sempre um processo longo e complicado. Ao fim de sua terceira edição, neste […]

  • Recife Summer Fest « Pop up!

    Jan 14, 2011 52 Comentários Teve um tempo que eu bocejei forte para aquele papo datado de que música, assim […]

  • brincando de indie – Pop up!

    brincando de indie 13Nov2008 Seção: Blog Por: Bruno Nogueira Este ano é cabalístico para o Wry. Eles estão completando sete […]

  • Goiania | Pop up!

    Blog Reportagens Discos Downloads Sobre o site e o autor 20/07/2010 Goiânia, a atual capital do rock brasileiro, vive o […]