Blog | Pop up!

  • Blog
  • Reportagens
  • Discos
  • Downloads
  • Sobre o site e o autor

25/01/2012 Karina Buhr

Karina Buhr volta ao Recife no dia 27 de janeiro. Selecionada pelo programa Natura Musical, ela traz a turnê de “Longe de Onde”, o segundo disco da carreira meteórica, no teatro da Universidade Federal de Pernambuco. E você, leitor do Pop up, vai poder ir todo cheiroso para o show, com mais um acompanhante.

Para participar do sorteio, que vai dar um par de ingresso e um kit Natura Humor para o vencedor, só precisa tuitar “Quero ir com o Pop up para o show de @karinabuhr dia 27 na UFPE. http://kingo.to/Yk5″. O sorteio vai ser na manhã da quinta-feira, 26. Então tem pouco tempo, por isso, corre aí!

Mas…. antes de correr, vamos as regras! Tem que obviamente me seguir no twitter (@bnogueira) para participar. Quem ficar repetindo o tweet e fazendo flood está fora.  Só precisa tuitar o que está dentro das aspas, nada mais. É obrigatório usar o link no final. Boa Sorte!

Written by Bruno Nogueira 10 Comments Posted in Blog Tagged with Karina Buhr, natura, Promoção 20/01/2012

Quando você tem 17 anos, escuta Smiths, Cure e Depeche Mode incessantemente, veste preto e usa coturno no sol escaldante do verão recifense, “otimismo” não é uma das tags permitidas dentro da convenção social. Fazia parte do meu repertório dizer num suspiro que eu nunca chegaria aos 30. Alguma coisa simples e fora de meu controle não permitiria isso acontecer. Mas nem todo bacon que comi na vida conseguiu me impedir de chegar aqui.

Tracei uma meta assim que percebi que esse dia chegaria: publicar meu primeiro livro antes dos trinta anos de idade. Podia ter me esforçado mais, é bem verdade. O livro – uma adaptação da minha dissertação de mestrado sobre o estado da indústria da música no Brasil pós-internet – está pronto, revisado e atualizado. Mas como nunca encontrei uma editora interessada, ele nunca saiu do computador. E o orgulho me impediu de experimentar algo mais independente. Hoje eu completo 30 anos de vida e essa única meta traçada não se realizou.

Quase sem perceber, entretanto, realizei coisas que minha imaginação inteira jamais poderia conceber. Me casei e virei pai. Hoje eu chego em casa e ganho o sorriso mais lindo do mundo, cercado por um mundo de cachinhos dourados, um monte de bochechas e o grito de “PAPAI!”. Acompanhado pela corridinha desengonçada, mais parecendo uma dança, de quem quer chegar junto logo para falar “braço, papai!”. Para o Bruno dos 17 anos, eu diria hoje para relaxar, porque todos os clichês que o cinema te ensinou são verdadeiros. Quando você desistir de procurar alguém, vai ser ela quem vai te encontrar. E o que vocês vão construir juntos é a definição mais precisa que você vai encontrar para magia. Sim, magia é real.

Nesse período, sem perceber, me arrisquei um monte profissionalmente. Pedi mais demissão do que é recomendado. Fui demitido mais vezes que gostaria ter sido. E antes dos 30 virei chefe na firma. E virei sócio do festival que o Bruno dos 17 catava os centavos para conseguir entrar. Brincando, acabei virando uma pessoa que muita gente chama para ajudar a tomar decisões importantes sobre a música pernambucana. Seja contratante privado, governo do estado ou até uma gigante como a Petrobras. Dei certo. De um jeito que um guri peladeiro dá ganhando para jogar futebol no time do coração. Não sei absolutamente nada sobre futebol. Mas desse sentimento eu sei bem.

Cresci e, perto de terminar meu doutorado, aprendi que nunca vou parar de aprender. Que a humildade precisava estar na frente várias vezes nesses últimos 30 anos. E que ela deverá ficar na frente nos próximos 30 e nos 30 seguintes. Que ainda tem espaço para crescer e me surpreender… E bastante trabalho e oportunidades de continuar fazendo a diferença. É isso. Feliz aniversário para mim. E, para vocês, bem vindos ao ano 30 da Era Bruno.

Written by Bruno Nogueira 3 Comments Posted in Blog Tagged with Egolombras 13/01/2012

O Mini, do Walverdes (também conhecida aqui no blog como uma das melhores bandas de rock do país), fez uma compilação sensacional de todo o bate boca que vem acontecendo no mundo independente pós-abrafin. É um ponto de referência fundamental para quem quiser entender tudo sobre o que acontece nessa tão conturbada e desgastada cena.

Nas palavras do próprio:

O objetivo desse espaço é reunir em um único lugar os textos mais interessantes da discussão sobre cultura independente que vem tomando conta dos meios digitais nos últimos dois anos. Pouco a pouco, foi se formando uma espécie de bibliografia viva que, na minha opinião, fica mais rica quando é reunida. Alguns dos textos abaixo foram incrivelmente inspiradores pra mim, especialmente se lidos em contraste com outro.

Quem quiser conferir o quebra cabeça e se aventurar em desvendar os mistérios do indie nacional é só acessar: http://discursoalternativo.tumblr.com/.

Boa leitura!

Written by Bruno Nogueira 2 Comments Posted in Blog Tagged with independente, polemicas 12/01/2012 ddb81d15c096c03b65ed6d4e360bd31a1325891682-5496516 Sérgio “Siba” Veloso. Foto de Talita Miranda

Sempre digo que Siba é o artista mais interessante de nosso tempo. Tanto pessoal, quanto musicalmente, não conheço ninguém que consiga ser um liquidificador de tantas referências de forma tão criativa. Avante é claramente mais que um disco, mas uma trajetória de auto-conhecimento bem pessoal. As dicas estão na foto da capa e um pouco em cada faixa. Ele não transforma a rabeca em guitarra para se re-inventar, mas sim para conseguir se definir. Você pode ouvir tudo, baixar e até comprar o disco no site oficial (que ficou sensacional).

É o disco do ano, lançado justo no comecinho, sem nem precisar ouvir o resto. Se você ai estava tentando, desista. O disco tem lançamento dia 28 de janeiro, na rua da Moeda, às 21h, de graça, já com clima de Carnaval.

Written by Bruno Nogueira 11 Comments Posted in Blog, Discos Tagged with avante, Siba 12/01/2012 opiniao_do_caetano-arnaldo_branco-2490216 Arnaldo Branco, gênio como sempre

Alguém mais percebeu que a crítica de música praticamente sumiu dos periódicos regulares (revistas e jornais) no último ano? Comecei a perceber isso com maior frequência nos jornais pernambucanos, por ser os que tenho acesso mais fácil. Em um ano em que se celebrou o lançamento de 170 discos no estado, nenhum deles fez parte de qualquer esforço retórico, seja para o bem ou para o mal. Com o tempo, e como mostraram alguns amigos, me dei conta que a tendência não é apenas local.

No lugar da crítica entrou o serviço e a entrevista. Fulano lançou disco – ou como alguns jornais teimam em publicar, “o disco de Fulano chegou nas lojas” (lojas?) – e ele tem tantas faixas, tantos minutos, tais participações especiais… e aqui está Fulano para falar de tudo isso. Com uma série de perguntas que buscam reforçar uma única idéia: foi lançado um produto, ele é de tal forma, boa tarde para você. Em uma matéria esquisita o Diario de Pernambuco se eximiu totalmente do exercício crítico indo perguntar aos artistas locais o que eles tinham achado dos discos dos amigos. Tipo matéria de TV, onde o mais legal é você tal artista falando, do que o conteúdo de fato do que está sendo dito.

Esse é um cenário muito ruim. Entre as diversas funções importantes da crítica, está aquela de criar uma comunidade de conhecimento, dialogando a partir de códigos que conectam artista e público (FRITH, 1996) e o de reforçar a identidade cultural de uma comunidade (MARQUES DE MELO, 2003). Como todo exercício retórico, cria estímulos, proporciona conversas e reações do público (BRAGA, 2006), faz a cultura circular ainda mais. Somo ainda a minha defesa que a crítica se transformou em um produto de consumo de igual valor que os produtos que avalia. Se lê crítica para fomentar o debate com maior frequência hoje do que para promover o consumo dos próprios produtos.

E nem vou entrar no mérito de Michel Teló ou outras controvérsias mais óbvias. No caso de Pernambuco, entre alguns dos principais desses 170 discos lançados, alguns definitivamente mereciam avaliação. Como As Novas Lendas da Etnia Toshi Baba, do Mundo Livre, que se dividiu entre regravações de canções não lançadas e das poucas inéditas, algumas com discurso cansado e datado daquela época do copyright. Ou mesmo como Fernando Catatau se estabeleceu como imagem do produtor nordestino e, mais ainda, definiu o timbre da região e copiou e colou ele em vários desses discos.

Considerando ainda a oportunidade que alguns discos, principalmente Moto Contínuo e Bandarra, respectivamente de China e Tibério Azul, trazem uma oportunidade de mapear um novo imaginário pop jovem do estado. Como existe uma abertura estética – aqui em seu sentido mais amplo – para redefinir um Pernambuco musical. Como os Elefantes da Rua Nova de Caçapa rompe com a construção instrumental que se transformou em convencional e parece abrir todo uma nova perspectiva para o gênero.

Enfim. Convivi um período com jornalistas da cidade que declaradamente optaram por não falar mal – para evitar contratempos – do que era lançado em qualquer período. Hoje, se evita também falar bem. Talvez essa seja uma etapa necessária para a formação de uma nova crítica. A falência de conteúdos tradicionais como porta de entrada para novas maneiras de fazer esse esforço retórico. Eu consigo enxergar com clareza crítica nas comunidades no facebook e, de um certo modo, até no Twitter. Como isso vai se legitimar, entretanto, é algo que só o tempo pode responder.

Written by Bruno Nogueira 26 Comments Posted in Blog Tagged with Crítica, crítica musical eu-4842561 Jornalista, professor, pesquisador e pai. Música, mídia, redes sociais… e boa gastronomia! 🙂

  • I’m at Wonderland (Recife, Pe) http://t.co/0ZNbPy5N 4 hours ago
  • Você percebe o quanto a pessoa está boiando quando ela manda um recado para Gilberto Gil E Ana de Hollanda 1 day ago
  • Arrastões na rua, lojas invadidas, ocupação do exército. Parece que escapei de uma roubada não indo a Salvador 2 days ago
  • Ficou ainda mais feio citar Talles negando uso indevido de verba pública, qdo isso nunca foi motivo ou sequer questão na saída dos festivais 2 days ago
  • Ainda mais nessa pinta de ouvirmos dois lados, mas favorecendo textualmente um dos lados, nesse caso dos festivais mais antigos 2 days ago

Random Posts