Festival DoSol 2005: Cobertura | Pop up!

NATAL – Foi a Retrofoguetes que declarou o começo do Festival do Sol, em Natal. E eles não precisaram falar nada, só tocar. Na verdade, a banda de surf music instrumental de Salvador, que tocou no Recife durante o Abril pro Rock, era a terceira na escalação da programação do palco oficial. Os shows mesmo começaram bem antes, às 17h, no bar Do Sol, reunindo curiosos e aglomerando o público.

Programação que é bem ousada. O Do Sol fez sua estréia com três bandas instrumentais. “Foi proposital, tem muita banda boa por aí que merece mesmo estar num festival”, declara Anderson Foca, idealizador do evento. O público observa e aprova com aplauso os shows de Fóssil e Edu Gomez.

Diferente do Mada, que aconteceu aqui em junho, o público é muito mais rock’n’roll. Mais jovem, com mais vontade de se divertir. Quando Os Bonnies, banda local, começaram a tocar, o clima da noite estava garantido.

Manter o pique que essas duas bandas criaram no palco seria complicado, mas a programação seguiu coerente. O Do Sol é um festival bem sincero, leva o nome do selo e, por isso mesmo, não tem porque esconder que 90% da escalação local é de artistas da casa. Estratégia muito bem elaborada por Foca, que trouxe para Natal imprensa especializada de todo o País para conhecer seu trabalho.

Uskaravelho, Peixe Coco e Officina são todas bandas que devem ter material lançado em breve, todas com faixa interativa com vídeos e fotos dos shows de sábado. Das três, é a última que mostra mais identidade e segurança no palco. Todas com uma presença bem forte de hardcore nas influências.

Uma perda significativa para o Festival do Sol foi a banda Volver, do Recife, que não pôde tocar. O vocalista Bruno Souto adoeceu e não conseguiu viajar para Natal. Outro ponto negativo foi a Experiência Apyus, que fez show parecido com o do Mada. Eles falam demais e cantam de menos nas letras.

Mombojó subiu no palco à 1h da manhã. Quem acompanhava era a chuva, que dispersou um pouco do público e literalmente esfriou o clima do festival. O show empolgou pouco, com exceção talvez do momento em que fizeram um cover de Nação Zumbi. A banda já está com cerca de 15 músicas novas para um próximo disco.

Quem também está com disco pronto para lançar é a Gram, a última da noite. A banda acabou de fechar contrato com a Deckdisc e, por isso, ainda não pode tocar nada novo no show. O público não se importou em ver o repertório repetido e acompanhou em coro até às 3h da manhã, quando encerraram os shows.

Random Posts

  • Desalma « Pop up!

    May 03, 2011 12 Comentários Vou correr o risco de ser polêmico aqui e dizer de cara que eu não […]

  • Pop up!

    Filho de uma família de intelectuais, Supla é, apesar de toda pose, um cara bastante esperto. Ele atende o telefone […]

  • academia « Pop up!

    Apr 12, 2010 9 Comentários Em março foi divulgada mais uma edição da revista científica Contemporânea, editada pela Universidade Federal […]

  • Quintas feiras « Pop up!

    Quintas-feiras são os dias mais complicados no jornal. A gente começa a fechar os cadernos do fim-de-semana, os roteiros de […]